E hoje é dia de festa, viva! 1º aniversário do Acordei Disposta <3

Há 1 ano lançávamos o Acordei Disposta no Instagram, era o início de uma nova fase nas nossas vidas. O início de um novo projeto, onde a nossa ideia era Acordar Disposta para a vida, com muito bom humor e sem neura.

1-ano-acordei-disposta

Nós 3 há um ano

Ao longo desse 1º ano tanta coisa aconteceu!

Lançamos nosso canal no YouTube, lançamos a Acordei Disposta Store, passamos muitas horas juntas e outras vezes desejamos estar próximas quando, na verdade, não conseguíamos nos encontrar por conta do excesso de compromissos extra-blog.

Corremos, deixamos de correr, voltamos a correr, treinamos, ficamos sem treinar, voltamos a treinar, seguimos a dieta, comemos (literalmente) alguns dos nossos problemas, voltamos a focar na dieta, ficamos doentes, nos cuidados, melhoramos nossa saúde, conhecemos algumas leitoras pessoalmente, viajamos, festamos, voltamos a nos encontrar com mais frequência, trocamos 50 milhões de mensagens via whatsapp, e-mail, DM’s e tudo o mais. Ufa! Esse é o Acordei Disposta e a nossa vida (a de nós 3 e a de vocês também) com altos e baixos, onde focamos sempre nos melhores momentos, sem desistir, persistindo sempre. Porque Acordamos Dispostas a ser nossa melhor versão.

Desejamos que nesse novo ano que se inicia para o Acordei Disposta seja possível realizar mais sonhos, tirar mais projetos do papel e que hajam mais encontros com as leitoras e seguidoras porque o mais gostoso de tudo isso é a troca que rola entre nós 3 e vocês.

E esperamos que vocês tenham curtido, se divertido e se animado junto com a gente nesse 1º ano do Acordei Disposta. Obrigada pela companhia de vocês nesse primeiro, de muitos anos <3

Ahhhh!!! Acharam que passaríamos esse dia em branco? Fiquem de olho no Instagram do Acordei Disposta porque vai rolar uma promoção mara-vida (hahahahaha) para comemorar o nosso 1º aniversário. Esperamos vocês por lá 🙂

juliana

35 anos, Paulistana de coração há 14 anos. Analista Financeiro, mãe de 2 lindezas. Já treinou Vôlei, Tae Kwon Do, tentou natação, judô, tem a...

>> Veja mais posts dessa autora

Dessa vez o time completo vai julgar o que está na moda neste verão. Erica escolheu à dedo, basicamente só tendências polêmicas! Hahaha.

Dessas opções, o que vocês usariam, hein? 0

ana

31 anos, do Grande ABC Paulista, diretora de arte. Quando criança nadou e jogou futebol, mas parou com tudo na adolescência. Só voltou a se...

>> Veja mais posts dessa autora

Depois de quase 1 ano de Acordei Disposta (Uau! Já vamos completar 1 aninho de vida, que lindo!), vocês já devem ter percebido que vamos além de falar sobre um único esporte. O Acordei Disposta é sobre a prática de atividade física e vida saudável de um modo geral. E com base nisso hoje o nosso review é sobre um produto para a prática de um esporte aquático, o SUP <3

Eu sou apaixonada por praia, sol e mar. De preferência os 3 juntos porque eu morro de preguiça de água gelada, então prefiro entrar no mar em dias ensolarados, cof cof cof…mas enfim, depois de ter 2 filhas, resolvi deixar de lado a ociosidade na praia, criar coragem e realizar pequenos sonhos e praticar esporte com pranchas era um deles. Comecei com o bodyboard, mas os ventos e a maré me levaram para a prática também do SUP e amei! E com isso, surgiu a oportunidade de testar a prancha inflável de Stand Up Paddle da Tribord e agora eu estou aqui para compartilhar com vocês o que achei.

O QUE A MARCA DIZ

Desenvolvida pela Tribord para o praticante ocasional de SUP, essa prancha garante muita flutuabilidade e estabilidade.

Com pega central reforçada, a prancha pesa apenas 11 kg e é muito estável graças ao seu volume. O produto é fácil de ser montado e desmontado pois tem enchimento a alta pressão (15 psi) para uma boa rigidez e um melhor deslize, e pode ser enchido em 5 minutos.

Está adaptada para todas as estaturas, com peso máximo de 80 kg para manter boa estabilidade.

stand-up-paddle-inflavel-9-8_50393417_705081

Minha opinião sobre o produto

Quando peguei a mochila com todo o equipamento dentro, tive os seguintes pensamentos: ” vai demorar uma vida para encher essa prancha e estou ferrada para tirar toda a areia do equipamento. É muita coisa e vai grudar areia em tudo”. Pois bem, vi que estava errada no primeiro contato com a prancha.

O kit não veio com as instruções, mas a forma de montar a prancha é intuitiva. As instruções não são necessárias.

A bomba realmente é de alta pressão e enche a prancha rapidamente, nem dá tempo de suar. O buraquinho de encher o ar deve ser fechado rapidamente porque da mesma forma que ela é fácil de encher, também é fácil de esvaziar.

A quilha é colocada na prancha de forma prática e até dá para arriscar pegar umas marolinhas (mas ainda não cheguei nesse nível). Precisa tomar cuidado para não bater a quilha na areia, pois ela pode quebrar.

O fato da prancha ser inflável ajuda (e muito!) no transporte. Não precisamos de hack no carro e a mochila resistente ajuda na hora de carregar até a praia.

Eu tive muita dificuldade de ficar em pé na prancha, na verdade consegui ficar em pé, mas não consegui dar nenhuma remada (precisava praticar mais). Consegui remar de forma prática e rápida de joelhos na prancha (sozinha e acompanhada da Rebeca). Apesar da prancha ser indicada para até 80 kg, maridôncio conseguiu ficar em pé e remar.

prancha-sup-tribord-inflavel

Eu e Rebequíssima tirando uma onda

Eu tive um pouco de dificuldade na hora de sair da água carregando a prancha, mas com certeza isso aconteceu por alguns fatores específicos: minhas pernas estavam moles de tanto ficar de joelhos, fazendo força nas pernas para segurar a Rebeca (eu estava com muito receio que ela caísse) e eu estava em uma praia com tombo. Nas vezes que tentei levantar com a prancha, acabei tombando, hahahahah. Com certeza rolou mico 🙂

Diferentemente do que eu imaginava, não sei se pelo fato de estarmos em uma praia de areia grossa, foi muito fácil de limpar a prancha. Não ficou areia grudada nela (daquele jeito que parece que não vai desgrudar nunca, sabe?), nem na mochila e foi muito prático de deixar o kit organizado e limpo. Porém precisei de ajuda na hora de colar a prancha dobrada na mochila. Provavelmente isso aconteceu por falta de prática, pois a ideia é que você possa praticar o esporte sem precisar da ajuda de ninguém.

O mais legal de ter uma prancha de SUP é que todo mundo pode praticar e ainda dá para usar em família. O fato de poder remar com as meninas é excelente, elas se divertem junto comigo, sem aquele stress da criança na areia chorando pedindo pra mãe voltar, sabe?! Eu adorei a experiência e estamos com muita vontade de adquirir uma prancha dessa pra gente 🙂

FICHA

Desenvolvido para: o praticante ocasional de SUP em passeio. 

Conjunto inclui: saco, bomba, manômetro, leash e instruções

Composição: mesh drop stitch. Camadas de PVC. Pad EVA.

Chave de manutenção: a chave incluída no saco serve para apertar a válvula em caso de necessidade e para manutenção. Sobretudo, não deve ser usada para esvaziar a SUP.

Dimensões: 9/8″ x 29″ x 6″

Peso: 11 kg

Preço: R$ 2.799,99 no site da marca (preço pesquisado em 28.11.2016)

AD-disclaimer-produto-emprestimo

juliana

35 anos, Paulistana de coração há 14 anos. Analista Financeiro, mãe de 2 lindezas. Já treinou Vôlei, Tae Kwon Do, tentou natação, judô, tem a...

>> Veja mais posts dessa autora

Fomos desafiadas pelo pessoal do Um Atleta a realizar o Desafio do Copo, criado para chamar a atenção para o Teleton 2016. Claro que topamos e rimos muuuuuuito cumprindo o desafio! 😉

ana

31 anos, do Grande ABC Paulista, diretora de arte. Quando criança nadou e jogou futebol, mas parou com tudo na adolescência. Só voltou a se...

>> Veja mais posts dessa autora

Há duas semanas, gravei um vídeo (para assistir clique aqui) onde falo sobre minha volta à corrida após o tratamento de uma lesão.
Um dos pontos que toquei no vídeo foi o sobrepeso e como isso afeta diretamente no meu desempenho. Como bastante gente comentou (no Instagram @acordeidisposta e no canal) e se identificou, hoje vou falar um pouco sobre o assunto e de tempos em tempos atualizar sobre meu progresso por aqui. 🙂

acordei-disposta-bate-papo-corrida-sobrepeso

Bora bater um papinho?

O recomeço

Não vou negar que já tive outros recomeços, mas tirando uma fratura que sofri durante uma corrida de montanha, posso dizer que todos os outros foram por pura “crise de relacionamento com a corrida”. No início fiquei naquela ânsia de participar de todas as provas que apareciam na minha frente, e sem querer-querendo, me cobrei bastante nessa época e não respeitei o corpo quando senti o joelho pela primeira vez.

phoebe-running

Phoebe <3

E antes que me perguntem…não, não tenho vergonha nenhuma de contar isso. Muita gente entra na mesma onda, e digo mais, muita gente desiste de correr porque acha que será sempre lindo, perfeito, do jeitinho que foi planejado ou até mesmo poético, digno de fotos que parecem profissionais com uma legenda bonita no Instagram. Pega essa realidade: as chances de “dar ruim” no começo são muitas e até tudo se encaixar (e até depois disso) equipe-se com planos B, C, D e se preciso até o Z.

Depois de algum tempo e muitos tropeços, me dei conta que minha praia está no estilo “delícia de correr”. Mas até para quem corre nessa pegada, é praticamente obrigatório fazer manutenção. Falarei mais sobre esse processo em um outro post.

Sobrepeso

Está aí algo que tem me incomodado de verdade. Neste tempo que fiquei off, outras “paradas” aconteceram na minha vida pessoal. Além disso, fiquei doente e com um quadro depressivo. Eu, que estava numa vida ativa, “comendo limpo”, toda bem humorada, positiva e até meditando diariamente, me vi tomando remédios fortíssimos que me bagunçaram de um jeito que nem vou entrar em detalhes por aqui. Além disso, voltei aos hábitos alimentares ruins e pouco me importei com minha forma física.
Neste tempo de tratamento, emagreci e engordei de uma forma bizarra. O resultado: dezessete quilos a mais na balança.

sailor-moon-fat

Por que isso me incomoda?
Porque estou com um peso que não é o meu. Se fosse, beleza em me aceitar! Mas meus exames estão apitando o contrário. E voltar à forma física de antes está dentro do processo para voltar a correr, para não sobrecarregar meu joelho. Preciso confessar que fazer as atividades cardio com parcimônia é um saco! Tudo porque além do “joelho bichado”, ainda tem o lance da sobrecarga em cima dele. Tá osso, viu!?

Pra que todo esse relato?
Não que eu precise dar satisfação para alguém sobre minha saúde ou meu corpo, mas já que tenho esse espaço, por que não compartilhar?
Na primeira vez que me abri sobre isso, além dos comentários públicos, algumas pessoas me mandaram mensagem contando seus “causos”. Até de corajosa fui chamada. hahahah
Foi quando me toquei o quanto é legal conversar e compartilhar os perrengues e as pequenas conquistas (minhas), mesmo sendo uma mera anônima. 🙂

homer-jogging

É a primeira (espero que seja a última) vez que estou recomeçando depois de tanto tempo parada e a partir de um tratamento de lesão. Por isso posso dizer que voltei meeesmo para a estaca zero. Mas é aquilo, né? Se a vida te der outra oportunidade de recomeçar, então agradeça e rumbora!

miss-j

erica

36 anos, de São Paulo, gestora de moda. Filha de pai japonês e mãe nordestina (Pi), é paulistana de nascença, mas já morou em Manaus,...

>> Veja mais posts dessa autora

A Ju bateu um papo com o Personal Trainer Junior Sena sobre consciência corporal, um assunto bem pertinente e que muitas vezes a gente nem pensa sobre.

Mulher em tapete de yoga, por Shutterstock.

Mulher em tapete de yoga, por Shutterstock.

Mais sobre o profissional que nos ajudou neste vídeo e post

Junior Sena é Bacharel em esportes pela USP (CREF 130949-G/SP), personal trainer há 22 anos, instrutor de exercício hipoprensivo pela HTF e preparador físico de atletas olímpicos brasileiros de tênis de mesa.

Caso você tenha se interessado e queira entrar em contato com o ele para ter aulas, pode falar com ele através do e-mail juniorjmsena@gmail.com ou pelo perfil dele no Instagram.

ana

31 anos, do Grande ABC Paulista, diretora de arte. Quando criança nadou e jogou futebol, mas parou com tudo na adolescência. Só voltou a se...

>> Veja mais posts dessa autora