Esse vídeo sobre auto responsabilidade faz parte do conteúdo sobre meu amadurecimento pessoal. A ideia não é que fique monotemático, mas quero compartilhar como foi todo o meu processo e como isso toda essa mudança me tornou uma mulher melhor, mais ativa e produtiva.

Acredito que se eu consegui, qualquer um é capaz de conseguir. Claro, se achar que deve mudar. Se realmente achar que mudar a postura e as atitudes seja o caminho para colher resultados diferentes e melhores do que os que colhe atualmente. Sei que algumas pessoas não precisam passar por esse processo, já estão no topo 🙂

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora

Desde ontem estou fuçando e mexendo aqui no blog para dar uma arrumada no layout. Agora que Erica e Carô, infelizmente, não estão mais dedicadas ao AD, resolvi dar uma organizadinha e passar a informação atualizada para quem chega por aqui.

Bom, sentei para escrever um pouco no “sobre mim” e aí me veio a ideia de escrever sobre mim de verdade. Contar um pouquinho da minha história para quem aparece por aqui e para, quem quiser, entender como cheguei até aqui.

Primeiramente, eu acredito que as pessoas são mutáveis. Principalmente quando elas querem. E eu sempre quis, sempre gostei de experimentar várias facetas, até porque enjoava de algumas ou simplesmente acordava achando que aquilo não estava certo e não deveria mais portar-me de certa forma. E foi assim, sempre querendo mudar uma coisa aqui e outra ali que fui construindo meu eu atual (que pode não ser o mesmo de daqui a alguns anos – e espero que não seja mesmo).

Minha primeira infância aconteceu toda na praia, à beira-mar da praia de Boa Viagem, em Recife. Desde pequena via os surfistas na praia, assistia “Armação Ilimitada” e viajava com o dia que seria bodyboarder. Aí está a primeira lembrança que tenho sobre gostar de sonhar, sem tomar as atitudes necessárias para transformar em realidade. Hoje me pergunto: por que eu nunca tive uma prancha quando era pequena? Por que nunca fui atrás, mesmo que com 6/7 anos, de surfar já que tanto queria? Não sei. Não tenho nenhuma memória de ter pedido uma prancha para o meu pai e ele ter dito não. Acho realmente muito difícil disso ter acontecido, já que meu pai sempre foi incentivador de práticas esportivas. Tenho pra mim que era vontade de sonhar, para simplesmente sonhar.

Essa época da vida, era maravilhosa. Minha infância foi muito boa, do jeito que muitas crianças iam gostar de passar: na beira da praia, sem problemas, sem grandes necessidades…anos 80, a melhor década de todas 🙂

Glenda Koslowski

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora

Se algum dia me falassem que ficaríamos um período sem sair de casa, com comércio, empresas e academias fechadas, eu diria que seria impossível. Uma grande loucura. Porém temos vivido isso há 15 dias e indo para a terceira semana de confinamento, e vou te falar, não é fácil.

Sempre que algo muito diferente acontece, eu tento voltar a razão para mim e analisar como estou lidando diante do caos. Modestamente falando, acho que estamos lidando bem com o confinamento. E aí me questiono mais: “Como eu, que sempre fui tão intolerante e impaciente, estou conseguindo driblar isso tudo sem me estressar?”, “Como eu que nunca gostei de cozinhar todos os dias, estou fazendo isso sem reclamar?”, “Como eu que sempre reclamei de treino funcional, estou conseguindo treinar na sacada da minha casa todos os dias pela manhã?”. A resposta é a mesma para todas as perguntas: eu amadureci. Diante do caos instalado, é minha responsabilidade manter a ordem da casa, as meninas calmas e tranquilas, fazer com elas as lições, providenciar todas as refeições, lavar roupa e louça, trabalhar e cuidar de mim.

Os últimos 2/3 anos vieram acompanhados de muita mudança da minha parte, muito amadurecimento para entender e lutar (com coragem) com os desafios que a vida estava apresentando para mim. Desafios sempre temos durante a vida, a questão é que nunca lidei com eles com muita maturidade, sempre terceirizada a responsabilidade. No dia que trouxe a responsabilidade para mim, tudo começou a caminhar de forma melhor. Isso é muito doido!

O processo não foi simples e nem fácil. É cheio de tropeços e recomeços, mas o importante é que noto evoluções. Se essa quarentena acontecesse há 5 anos atrás, teríamos uma criança mimada em casa, tenho que lidar com uma situação nova e aposto que, reclamando de tudo e de todos. O fato de não reclamar, de fazer a minha parte, deixa tudo muito mais tranquilo.

No Instagram (se não segue lá ainda, fica o link) eu sempre comento sobre esse processo de amadurecimento e desenvolvimento. Acho que colocarei ele aqui para cair nas mãos de quem possa interessar. E até mesmo para eu me lembrar com detalhes de como foi tudo.

Espero que por aí esses dias em casa estejam sendo de muito aprendizado e tolerância. Lembre-se que temos certas responsabilidades e quando a cumprimos tudo fica muito mais fácil, do que quando as postergamos ou empurramos com a barriga.

Volto em breve 🙂

Com eles e para eles

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora

Já faz bastante tempo que não tem postagem por aqui, mas como eu estava pensando em fazer um diário no papel, tive a ideia de fazer o diário aqui no blog. Quem sabe encontro alguém com as mesmas dúvidas ou que se identifique com algo que eu escreva. Seria bem legal, não? Nem sei se alguém ainda lê blog. Ou se tudo só se passa no Instagram, hahaha.

Bom, mas antes preciso começar pelo começo. Falar um pouco sobre o Acordei Disposta. Éramos 3, eu, Carô e Eri. Agora é o “blog da eu sozinha”. Reajustamos algumas coisas e fiquei só eu por aqui.

O foco do blog continua o mesmo: “como acordar disposta todos os dias”. Essa sempre foi minha meta de vida, até porque eu era a rainha do mal humor matinal. Isso é muito sério e me incomodava bastante. Do início do blog para cá, isso mudou. E bastante! Estou super orgulhosa de mim, sabe? Sem falsa modéstia.

O processo foi longo, árduo e ainda não terminou. Acho que, na verdade, não termina nunca, né? Pois estamos sempre buscando algo a mais, acho que faz parte do “viver”.

Mas como sou mulher e mulher é o bicho mais multifacetado que existe, por aqui também terão além de reflexões sobre “como acordar disposta todos os dias”, sobre vida de mãe, esposa, dicas de algum produtinho, diário sobre a minha vida, caraminholas da minha cabeça, etc.

Se Deus quiser, conseguirei ser mais ativa por aqui como há bastante tempo quis voltar a ser.

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora

No mês passado gravei um vídeo sobre minha volta às atividades físicas após um tempo sedentária. Nesse vídeo contei o porquê, nesse primeiro momento, escolhi fazer somente musculação.
Depois de um comentário deixado lá no Youtube e perguntas de pessoas mais próximas, supus que seria legal explicar como fazer musculação em academias diferentes. Algo possível graças ao Gympass. \o/

Antes de continuar, quero salientar que esse é o método que funcionou para mim. São dicas bem simples que pode te ajudar também. Acredito ser positivo compartilhar algo que deu certo pra mim. 🙂

Dito isso, vamos aos conselhos?

Tenha uma “academia base”

É fato que musculação não é a atividade preferida de muitas pessoas, aliás, o que vejo de gente (meu eu antigo grita “presente”) correndo do treino de força….não cabe nos dedos.
Por isso sempre digo que é imprescindível AMAR a academia que vai fazer musculação. É lá que acontecerão os famosos momentos de quase-morte & felicidade pós-treino ao mesmo tempo. hahahahhahahaha

Pegue a listinha de academias próximas a você e teste o máximo que puder. Veja os aparelhos, converse com os professores (nem que seja a única vez na vida que fará isso), cheque as dependências, bote reparo no banheiro (pra mim é um dos itens mais importantes rs) e leia os reviews da academia na página do Gympass. Escolha aquela que te deixou mais à vontade, que preencheu mais as suas necessidades, que você sentiu uma “química especial”.
Se você é novato (o) nesse universo fitness, é importante ter uma academia base no momento inicial.  Pelo menos até você se familiarizar com o ritmo de uma academia.

Não tenho personal trainer, qual treino fazer?

Muita gente não contrata de cara um personal trainer ou possui treinador de alguma assessoria de corrida, que possa montar uma ficha de musculação. Eu mesma não tenho alguém que monte um treino para mim! Resolvi esse pequeno problema pedindo para um professor da academia-base montar um treino de acordo com meu objetivo (hipertrofia).
Contei à ele que sou aluna Gympass e que talvez precisasse treinar em outra academia. Ele montou minha ficha e me deu uma orientação que acho importante citar aqui: aprender executar o treino antes de ir fazer musculação em qualquer outra academia. Não que na outra academia o professor não vá lhe ensinar (deve!), mas vai que…entende? É importante aprender, pelo menos até você ter autonomia nos exercícios. Mas caso você queira treinar e ainda não está familiarizada (o) com os aparelhos e/ou execução dos exercícios, não tenha vergonha de perguntar, ok? E não vá fazer o que vier à cabeça. Para alcançar o resultado desejado, é importante seguir a série montada pelo professor com afinco e até a data estipulada por ele. Por isso a importância de ter uma fichinha fixa.

Para ter sempre o acesso à minha ficha, tenho foto dela no meu celular. Com a ficha em mãos posso cumprir meu treino onde estiver, sem desculpa de furar por não estar próxima de uma academia (são mais de 17.400 no Gympass!). 😉

Como funciona o sistema com Gympass? É só chegar-chegando na academia?

Basicamente isso. hahahaha
Eu abro o aplicativo do Gympass onde estiver, vejo qual academia mais próxima, chego na recepção e realizo o check-in. Ele normalmente aparece automaticamente no sistema da academia.
Se é a primeira vez que vou àquela academia, me apresento na recepção e faço o check-in ou apresento o token diário. A Ju explicou direitinho o processo neste post.

 

E aí, se interessou? Qualquer dúvida é só deixar nos comentários que eu respondo.
Você pode conhecer os planos Gympass, que vão de R$ 99,90 a R$ 349,90 por mês!

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora

Falamos aqui da edição 2018 da Corrida e Caminha GRAACC e no vídeo de hoje mostro um pouco de como foi a corrida.

Gosto muito da prova e o ambiente é super familiar e tranquilo, um jeito bem gostoso de começar o domingo.

Eu e Fê, minha companheira nessa prova. 🙂

A prova já é tradicional no calendário de São Paulo, então sugiro que você fique de olho no site e nas redes sociais do GRAACC para saber quando será a do ano que vem. 😉

juliana

Intensa. Intensa em alto volume. Coloco até pedra para queimar. Minha luta diária é baixar essa intensidade e conseguir viver em um mínimo de equilíbrio....

>> Veja mais posts dessa autora