No último domingo participei pela primeira vez da Maratona de São Paulo, à convite da Fila. Estava muito ansiosa pela prova por alguns motivos: seria minha primeira sendo treinada pela Carol (calma, logo logo venho falar sobre esse treinamento por aqui), estava com saudade de participar de corridas (a única do ano foi a Movimento pela Mulher, com a Eri) e doida para ver qual é o clima de uma maratona, já que nunca tinha ido à uma prova que tem como distância principal dos 42k.

Jane Jelagat Seurey, Carolyne Komen e eu.

Jane Jelagat Seurey, Carolyne Komen e eu.

A Fila é patrocinadora de alguns atletas quenianos, entre eles a Carolyne Komen, que conquistou o primeiro lugar na edição do ano passado. Como ela e o restante da equipe tinham um último treininho tranquilo para cumprir no sábado de manhã, eles nos convidaram para ir lá conferir e conhecer os atletas. Cês tem noção de que conheci e entrevistei a Carolyne? Além disso, o Giovani dos Santos (brasileiro que estava mais cotado para ganhar a prova no dia seguinte) também apareceu por lá e não escapou das minhas perguntinhas. Ha! Momento glamour por aqui, já que só nós e a Globo tivemos essa oportunidade, tá meu bem? Tá tudo aí no vídeo de cima. 😉

maratona-sp-2016-kit

Como passei o feriadão em SP, me programei para ir com tempo retirar o kit e passear pela Expo (que é como chamam a área com estandes diversos logo após retirarmos o kit, em provas desse porte). O kit era enxuto: camiseta, mochila, toalhinha, café, água de coco, gel de carboidrato e capuccino. Achei a camiseta super bonitona!

Kit retirado, passei quase uma hora olhando várias novidades (o estande da Fila tinha até peças de uma coleção de treino que só será lançada em junho!), conferir os descontos… acabei saindo sem fazer nem uma comprinha, mas foi difícil. Minha vontade era de ter enchido a mochila com roupas, tênis e acessórios. Teeeeeenso! :p

Galera indo para a largada.

Galera indo para a largada.

Achei a corrida muito organizada. Como eu já sabia que era uma prova beeeem cheia, me programei para chegar um tempinho antes da largada. Deu tempo para chegar tranquila, guardar a mochila no guarda-volumes, ir ao banheiro… quando me dirigi à largada, ela já tinha rolado há uns minutos mas ainda faltava muita gente largar. Apesar de bem cheio, não teve empurra-empurra ou gente andando desde a largada. Outra coisa gloriosa: em NENHUM momento me deparei com paredões de gente atrapalhando quem queria passar! Estava esperando algo parecido com o que vemos em corridas femininas, mas não rolou. Aleluuuuiaaaa!

Os pontos de hidratação eram fartos (mais ou menos a cada 2k) e a água geladinha. Com o calor maluco que estava fazendo, foi um super ponto positivo para a organização. As placas indicativas do percurso não estavam beeeem certinhas (segundo meu relógio, algumas tinham diferença de até 300m da distância que marcavam), mas como pra mim as placas são basicamente só enfeite, não vi problema nisso. A dispersão após a chegada estava bem organizada e peguei medalha e lanche tranquilamente.

maratona-sp-2016-medalha

Falando no lanche, queria deixar registrado uma ideia que achei SENSACIONAL: no lugar de isotônico, foi distribuída água de coco para a reidratação dos atletas. Como não curto muito isotônicos, amei a ideia. A minha acabou rapidinha. Hahahaha. O lanche tinha também mini torrones, uma barrinha de cereal e um pacotinho de pão de mel. Senti falta da fruta, mas pra ser sincera nem procurei e talvez tivesse em algum outro ponto e eu que não vi.

Toda feliz com a medalha e papeando com a Michele e a Meyre. <3

Toda feliz com a medalha e papeando com a Michele e a Meyre. <3

Achei a prova toda muito legal e já tô doida para voltar ano que vem e fazer as 15 milhas. Quem sabe, né? Veremos! :p

Infelizmente não rolou primeiro lugar novamente para a Carolyne, mas tanto ela quanto o Giovani subiram no pódio pegando o segundo lugar. Assisti a chegada da Alice Kibor, primeiro lugar da categoria feminina.