Oi! Meu nome é Juliana Ferrer e eu fui/sou portadora de escoliose idiopática. Fiquei na dúvida em colocar se eu ainda sou porque eu fiz uma cirurgia corretiva, mas antes de falar um pouco sobre a minha experiência pessoal, fiz uma série de perguntas para o meu super-master-top-médico da coluna e juntos, vamos explicar para vocês o que é a escoliose.

Vamos lá?! 😉

AD – O que é escoliose?

Dr. Alex Junqueira – escoliose é um desvio lateral da coluna normalmente associado a rotação da vértebra levando a uma deformidade do tronco.

AD – Quais são os tipos de escoliose?

Dr .  Alex Junqueira – existem muitos tipos de escolioses: congênitas, quando a criança nasce com um defeito na vértebra. Neuromuscular, quando esta ligado a alguma doença neurológica. Idiopática, que ocorre geralmente na menina, cuja a causa não é conhecida, dentre outras.

AD – Quando, geralmente, a escoliose aparece? 

Dr. Alex Junqueira – a escoliose idiopática que é o tipo em questão pode aparecer entre 0 e 3 anos sendo chamada infantil, entre 3 e 10 anos sendo chamada juvenil e após os 10 anos, que é a mais comum , sendo chamada do adolescente.

AD – Como é diagnosticada a escoliose?

Dr. Alex Junqueira – o diagnóstico da escoliose pode ser feito através de um simples teste clínico , inclinando o tronco da paciente pra frente e observando uma saliência em um dos lados do tronco. Esse teste é chamado teste de Adams.

AD – Por que algumas pessoas desenvolvem escoliose?

Dr. Alex Junqueira – na escoliose idiopática, onde a causa é desconhecida, o aparecimento da escoliose parece ter um caráter genético. Sabe se que é mais comum na menina, e na adolescencia. Porém pode ocorrer mais raramente em meninos e em outras idades

AD – Existe escoliose de “nascença”?

Dr. Alex Junqueira – a escoliose de “nascença” é a chamada escoliose congênita onde a criança nasce com um defeito na vértebra que propicia o aparecimento da escoliose em idades muito precoces. Essas tendem ser muito agressivas , piorando rapidamente e levando a graves deformidades do tronco

AD – Quais são os tratamentos para a escoliose? Eles variam de acordo com o grau de curvatura?

Dr. Alex Junqueira – o tratamento em geral esta relacionado com o grau da curva e a idade da paciente.

Curvas entre 0 e 20 º são observadas e realizado reabilitação fisioterápica
Curvas entre 20 e 40 º são tratadas com colete afim de evitar a piora da deformidade
Curvas acima de 40 º necessitam correção cirúrgica

AD – Existe algum tipo de atividade física que agrava a escoliose? Existem estudos sobre isso?

Dr. Alex Junqueira – as atividades físicas não agravam a deformidade, muito pelo contrário, elas ajudam  a musculatura do tronco,  melhorando os aspectos físicos e posturais.

AD – Quais as atividades físicas mais recomendadas para portadores de escoliose? 

Dr. Alex Junqueira – as atividades físicas funcionais que trabalham a flexibilidade, postura e resistência são as melhores. O Pilates também tem uma ótima aplicação para esses casos.

AD – No caso de cirurgia como deve ser a recuperação? Quanto tempo sem praticar atividade física? 

Dr. Alex Junqueira – após a cirurgia corretiva de escoliose existe um protocolo de reabilitação onde o paciente iniciará as atividades físicas a nível de fisioterapia nos primeiros dois meses. A seguir o paciente inicia exercícios físicos na água e de baixo impacto até se condicionar o suficiente para então poder realizar exercícios com peso e impacto, além das atividades esportivas. A longo prazo o paciente estará apto para pratica de todas atividades.

AD – Existe algum risco de comprometimento dos movimentos das pernas no caso de uma cirurgia de escoliose?

Dr. Alex Junqueira – hoje em dia existe uma monitoração durante o ato cirúrgico. Então o risco é muito baixo.

AD – Já aconteceu algum caso de ter que “refazer” a cirurgia para correção da escoliose? Por que?

Dr. Alex Junqueira – a revisão cirúrgica na escoliose não é comum porém pode ocorrer. A principal indicação é quando não ocorre a consolidação óssea por algum motivo e isso leva a dor ou até mesmo a quebra do material implantado. O nome dessa situação é pseudartrose. Porém nessas raras situações não há a necessidade da revisão de toda cirurgia e sim a abordagem somente do local da pseudartrose.

AD – Há a necessidade de trocar pinos e placas depois de um tempo? Se sim, quando isso acontece?

Dr. Alex Junqueira – não há a necessidade de troca do material implantado. A cirurgia tem um resultado definitivo. Somente nos casos onde ocorre alguma complicação como por exemplo quebra do material por uma pseudartrose que podemos ter a necessidade da troca .

Para definir as perguntas, eu tomei como base as perguntas que foram feitas para mim por outras pessoas que possuem escoliose, mas que ainda não tinham feito a cirurgia. Caso você tenha alguma dúvida que não tenha sido listada acima, deixa nos comentários.
Alexander-Junqueira-RossatoSobre o Dr. Alex Junqueira Rossato
.
.
.
.

Médico membro da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC)
Médico membro da sociedade brasileira de ortopedia (SBOT)
Médico titular do grupo de escoliose da AACD
Médico do Instituto da Coluna -SP