E o primeiro mês do ano está chegando ao fim. Caramba, 2016 tá com pressa, né? :O

Separamos alguns links que nos fizeram refletir esse mês. Tem questionamento sobre como percebemos o corpo alheio, sobre feminismo, sobre a vida… aposto que ao ler qualquer um deles você vai refletir um pouco sobre o assunto. Se fizer isso, conta pra gente o que achou? Vamos adorar saber se vocês se interessam por esses assuntos também. 😉

AD-links-janeiro16a
  • O sutiã é uma coisa que a maioria de nós não vive sem. Eu, peituda como sou, acho até desconfortável ficar sem por causa do peso dos seios. E aí vem a pergunta: você sabe tudo o que deveria saber sobre essa peça de roupa? Esse post do Buzzfeed lista 9 modelos, com comentários de especialistas (mulheres que trabalham na indústria da lingerie).
  • Este mês a NASA anunciou sua nova equipe de astronautas e, pela primeira vez 50% dos integrantes é mulher. UAU, QUE DEMAIS! é a primeira coisa que nos vem à cabeça, certo? E aí vimos esse link da Galileu, repudiando a onda machista maluca que apareceu na nota da revista falando sobre o assunto. Ai mundo, quando vamos deixar de lado essas idiotices?
  • Falamos em machismo, temos que falar em feminismo. A cada ano as mulheres tem tido mais voz e a ideia de que feminismo é coisa de gente louca já está ficando no passado, afinal homens e mulheres devem lutar pela igualdade e deixar para trás atitudes machistas. 2015 foi um ano de muito debate sobre o assunto na internet, coisa que você pode ver com esse post da Run Ju Run sobre um levantamento feito pelo Think Olga.
AD-links-janeiro16b
  • O poder do não em nossa vida é muito grande. Você já parou para pensar quanto tempo e energia já gastou na sua vida só porque não quis dizer não para alguém ou alguma situação? A Ericka fez um texto muito verdadeiro sobre o prazer de aprender a ser seletiva e dizer não para algo que não se quer fazer, sem culpa. Eu ando me policiando para fazer isso e afirmo: é libertador.
  • Um pai que perde a filha, uma esposa que perde o marido, um irmão que perde um irmão. São dores que nunca cicatrizam e que podem mudar a vida de uma pessoa. Esse texto lindo do Paulo Camossa mostra como ele resolveu usar essa dor para mudar o jeito de encarar a vida e seus valores. A saudade nunca some, mas pode ser sim um impulso para o bem.
  • Quais são as lembranças mais doces da sua infância? A Lya contou a força que suas tardes de praia e chuva com a família tiveram em sua vida. Nada de brinquedos caros, ter toda a coleção da Barbie ou o tênis da moda. Carinho, atenção e presença foram o que ficou. É o que sempre fica, né? Me fez lembrar de alguns bons momentos que guardo na memória e deu saudade de quando eu era pequena.
AD-links-janeiro16c
  • “A beleza está em todo lugar, basta a gente querer enxergar”. A nova, a velha, a baixa, a alta, a gorda, a magra, a morena, a loira… a beleza está nos olhos de que vê, está nas diferenças e está mesmo em qualquer canto para o qual olhamos. O projeto The Atlas of Beauty mostra vários tipos de beleza feminina, clicados ao redor do mundo. Dica linda da Carol, do Follow the Colours.
  • Alison Stevenson é gorda e ama seu corpo. É uma mulher livre, com desejos e satisfações e, por isso mesmo, já encontrou muitos caras por aí que “disfarçavam” o fato dela ser gorda com alguns outros atributos. E aí ela fez esse texto delicioso, chamado “Como aceitar o fato de que você se sente atraído por gordas”. Delicioso é ler uma mulher cheia de amor próprio dizer que com toda a razão que “não tenho vergonha do meu corpo. Na minha opinião, se você não consegue lidar com as minhas estrias, você não merece minha celulite”. É isso aí, Alison!
  • Em um mundo onde “gordo” é ofensa e “magra” é elogio, a gente tem que repensar nossos valores, né? Os dois são características físicas e, em nenhum momento, devem definir o valor de cada um. Tá na hora de mudarmos nossos elogios e xingamentos, que tal começar repensando em como elogiar as amigas, hein? Esse texto ótimo da Rchl Ptrc faz a gente medir melhor o que sai dizendo por aí. 😉